Natal e Ano Novo

OFICINA: NATAL

 

 

Jacqueline Bulos Aisenman

 

O VERDADEIRO PAPAI NOEL

 

Eram duas da manhã. A sala estava escura, no canto a árvore de Natal iluminando o pequeno espaço. Marquinhos, sentado em frente à árvore esperava Papai Noel. Num momento de sono e cansaço, levantou-se e foi até a cozinha pegar algo para comer. Foi quando ouviu o barulho e voltou em silêncio para espiar: Viu, com surpresa, o pai e a mãe, em pijamas, colocando presentes embaixo da árvore. Os dois sorriam felizes, trocavam olhares cúmplices. Marquinhos entendeu, do alto de seus sete anos, que estava diante do Verdadeiro Papai Noel: seus pais! Sorriu. Seus pais eram o Papai Noel! Passou escondido por trás deles e foi para o quarto. Olhando

a cama onde dormia sua irmãzinha, sorriu novamente. Tomou então duas decisões: a primeira, não dizer nada à irmã. A segunda, ser menos chato na hora de pedir presentes de Natal. Porque sabendo agora quem trazia, sabia o que lhes custava. E entendia, finalmente, porque tantas crianças no mundo não recebiam sequer um presente. O menino deitou-se e então rezou para que todos os pais do mundo pudessem ter um trabalho e muita saúde. Para que todas as crianças do mundo pudessem ter presentes de Natal!

 

 

 

Maria Nilza Campos Lepre

1.

 

Talvez pela proximidade do Natal, quem sabe? Amanheci hoje carente de colinho e de abraços.

Saudades, não de qualquer colo, mas sim daqueles que na minha mais tenra idade me faziam esquecer até mesmo das dores físicas.

Aquele colo quente e macio que me embalava quando tinha sonhos ruins e me acalmava quando estava com algum problema, meu eterno anjo da guarda, minha mãe.

O outro era aquele que transmitia segurança e confiança, e que me fazia acreditar que nada de mal poderia me atingir, pois ele era meu herói, meu escudeiro meu eterno protetor, meu pai.

Hoje mais do que quando era criança necessito destes colinhos, mas infelizmente, esse tempo já passou, mas, resta ainda aquela sensação de alivio e proteção que vocês tão sabiamente souberam incutir dentro de meu ser. E acreditem somente pelo fato de recordá-los, sinto me acalentada, abraçada e protegida por vocês.

Obrigado por terem me escolhido para fazer parte de suas vidas.

FELIZ NATAL.

 

****

 

 

 

2.

 

Chegou Dezembro

 

Quando criança ao entrarmos em Dezembro, ficava contando os dias a espera do Natal.

Em minha cabecinha este mês era mágico. Tudo se enchia de luz, cores vibrantes, e as pessoas entoavam hinos em louvor à chegada do menino Jesus e do Papai Noel. Encantava-me a figura do velhinho carregado de presentes sentado em sua carruagem puxada por renas que voavam.

Em nossa casa não era costume armarmos a arvore de natal. Tínhamos sempre um lindo

presépio que a cada ano ficava maior, pois, sempre eram agregadas novas figuras.

Cresci e levei para meus filhos os mesmos valores que tinha quando criança. Só que

junto ao presépio eu armava também uma linda árvore de natal. Eles adoravam ajudar no enfeite da mesma, depois de pronta ficavam horas admirando a beleza dela e do presépio que eram iluminados por muitas luzes que piscavam.

Na ceia de natal minha casa se transformava num imenso salão de festas. Toda família se reunia aqui. Avos, pais, tios sobrinhos e amigos que não tinham a família por perto. A festa só terminava ao raiar do dia. Sentia-me tão feliz que não me incomodava em nada ter que colocar tudo em ordem para que no dia seguinte todos voltassem para um churrasco em volta da piscina.

O tempo passou. A maior parte da família já partiu para outras paragens, inclusive meu companheiro de uma vida também se foi.

Meus filhos cresceram, formaram suas famílias, me deram netos que atualmente também seguem a sua própria vida sem se importarem com os festejos natalinos.

Atualmente meu Dezembro não é carregado de sonhos e esperanças. Em minha casa já não tenho nem árvore e nem presépio, não há mais o riso das crianças, nem as musicas que eu costumava cantar para alegrá-los. As luzes se apagaram, e não tenho mais

vontade de acendê-las novamente.

Agora me contento em ficar observando a alegria das outras pessoas. Amo ver o brilho

das crianças quando recebem um presente há muito sonhado.

Indiretamente costumo ser aquela pessoa que se transforma nesta época do ano em papai Noel invisível.

Feliz Natal a todos.

 

Marilu R F Queiroz

 

Ah o Natal…

 

Quando era pequena, a minha madrinha passava todos os natais conosco. Dois meses antes ela nos mandava uma grande cesta dessas de vime que continha muitas iguarias. O que mais me chamava a atenção nela eram os fios de papel celofane muito coloridos que serviam de proteção aos pertences que lá estavam guardados. Para uma criança pequena era um tesouro sem igual poder com os dedinhos puxar fios coloridos pelas pequenas frestas da cesta. Eram vermelhos, amarelos, azuis, verdes, laranjas e rosas. A cesta continha coisas gostosas, mas para mim o que mais importava era poder colecionar ano a ano aqueles fios preciosos.

 

 

 

Carmen Di Moraes

 

O Natal

 

Talvez a minha alma continue sendo de criança, apesar de saber das desigualdades no mundo e que é puro comercio… Ainda quando chega o Natal, o meu coração se ilumina… Como quando eu ainda era criança… Os anos me abraçam, mas na minha alma permanece a alegria do Natal… A minha família reunida comemorando o nascimento do Menino Jesus, onde não precisa nem convidar mais pessoas, pois já tinha bastante gente… Quando deixei de acreditar no papai Noel? – Não sei… acho que no meu sonho de menina ele ainda existe… Talvez por que os presentes nunca tenham sido o alvo principal, com presentes ou não, havia sempre aquele ar de felicidade e alegria nos olhos de todos… Eu não entendia por que os presentes para nós se o aniversário era dele? Então fazíamos orações ao Deus Menino, pois a minha mãe sempre ia aos cultos de Natal na Igreja… agradecendo pela vida e saúde… Hoje com orações silenciosas. E continua assim… Um feliz Natal a todos os meus amigos, e um grande abraço de alguém que continua com alma de criança… imagem: internet

 

 

 

 

 

 

 

Benilda Caldeira Rocha

Ah! Natal

 

São tantas lembranças! Uma que marcou profundo foi uma tal galinha que a gente apertava levemente nas costas e ela botava uns ovinhos. Ah! Como esperei por este presente! Só que o Papai Noel me pregou um susto. Deixou outro presente na minha pequena sandália e pendurou por fora da janela o presente da galinha que pedi. Chorei. Minha mãe, (Avó que me criou) disse sorrindo: “Filha, vamos procurar, talvez o presente que você pediu esteja em outro lugar”. Saímos à procura e qual não foi minha alegria ao ver algo num cordão que descia da janela!Era o tal presente. Sorri e corri abraçar minha mãe.

 

 

 

 

 

Inês Carmelita Lohn

 

Um trechinho que escrevi no meu segundo livro (Flores e Cicatrizes) Gregório ficava danado com as filhas porque quando as espigas de milho ainda não estavam prontas, as filhas arrancavam do pé para fazer de conta que eram bonecas com cabelo de verdade.

– Certo dia Verônica disse:

– Já que nossa filha Josefa gosta tanto de boneca, vamos pedir para o Menino Jesus trazer uma para ela no natal que se aproxima, assim ela não arranca as espigas de milho do pé antes da hora.

Na manhã do natal daquele ano Josefa ficou muito feliz, estava dentro de seu prato na sala principal da casa uma pequena boneca de celulóide, que imediatamente recebeu o nome de Dalila.

A menina Josefa saiu correndo para mostrar para os irmãos, mas, infelizmente caiu na escada do sótão e quebrou o pezinho de sua boneca Dalila, chorou o dia todo, mas, aprendeu desde os cinco anos aceitar e viver com as diferenças para o resto da vida.

OBS- lá na roça onde a menina Josefa personagem do livro nasceu e viveu, não se conhecia a palavra Papai-Noel, as crianças pediam o presente no Natal era para o Menino Jesus.

 

Ana Rosa Santana

 

Flores do campo

 

Passo o ano todo na maior correria, são textos, roteiros, filmagens, documentos… Que às vezes nem percebo a exata passagem do tempo, mas todos os anos o milagre da vida me alerta: nos fundos da minha casa existe uma grande área verde, que confesso que me dá algum trabalhos e frustrações, pois são folhas, frutinhas, bichinhos( alguns nem tão “inhos”), que vão todos parar no meu quintal, na tubulação de águas pluviais, nos pelos exagerados dos meus dois gatos e até dentro de casa, recolho sacos e mais sacos no outono; mas de repente eu acordo de manhã sentindo o perfume mais maravilhoso que existe, algo que nenhum perfumista conseguiu copiar: um cipó que passaria despercebido se não fosse por seus espinhos exagerados se cobre de flores amarelas miudinhas, que enchem o ambiente com seu delicado perfume durante todo o mês de dezembro; esse se torna meu alerta para baixar o ritmo, equilibrar as energias, pensar mais na família e me preparar para as Festas…Minhas perfumadas Festas, um presente de Deus para mim!!!

 

 

Norália Castro

 

Luzes de Natal

 

Todas as manhãs, ao sentar-se na mesa para o café, lá estava meu pai saboreando o seu cafezinho, para logo após, pegar na leitura dos jornais do dia. Dizia ele da importância das notícias para se posicionar melhor no mundo. Infalivelmente era assim que ele começava seu dia. E, eu herdei dele este hábito. Preciso saber das notícias do mundo, seja por jornais, pela TV ou pela internet…

Vivendo um momento diferente, não consegui me distanciar de notícias. E lá vêm duas que me chicoteiam o coração: a chacina no Paquistão de centenas de crianças e de adultos, pai, mãe e motorista, que esqueceram crianças menores de dois anos, em carros fechados e elas morreram…

Arre… os Herodes ainda continuam à solta… arre… que tristeza… Arre… pobre mãe, pobre pai… terá sido este esquecimento de filhos, tão brutal, por causa de uma vida tão cheia de pressão para a sobrevivência?…

Me recolho, procurando respostas. Meu momento também é caótico… então, recebo um poema da amiga Gaiô, com um belíssimo vídeo com a tradicional Jingle Bell… e meu coração treme… empurra as dores para o lado e canta: Noite feliz…Afinal, estamos no mês de dezembro, quando as cidades, comunidades e casas estão se enfeitando, curtindo compras, bolas, enfeites, árvores… E, principalmente, no ar, o perfume que exala de milhares de centenas de homens, mulheres, crianças do Bem… Há uma alegria de recomeço no ar. E todos, como NOSSOS ANCESTRAIS já faziam, curtem uma bela época de festejos, de mudanças de tempos… todos almejam uma renovação.. … E o ar do planeta fica mais leve, os sinos tocam, as músicas explodem, todos querem alegria… as diferenças são amenizadas, desejam uma vida mais harmoniosa, Nem as guerras têm o poder de tirar dos corações e das mentes do Bem, este desejo de mudanças para melhor.

A Fé renova e explode nos corações e a Esperança se instala… Bem, temos de agradecer muito aos artistas e artesãos que trabalharam todo o ano para que possamos ter esta beleza nos shoppings, nas cidades e até dentro das casas…A Beleza desta comemoração de Natal, invocando o Menino Jesus e o doce Papai Noel encherá corações e as cidades estarão mais FELIZES.

 

 

 

 

 

Uma surpresa…

 

Taí… um lugar que eu gostaria de voltar. Muito. Voltar para rever e melhor conhecer esse povo: Thaylândia.

Quando por lá passei, apenas passei, este povo me chamou a atenção: gente de corpos franzinos, delicados, cheio de mesuras, e de uma delicadeza enorme no trato aos visitantes. Suas vestimentas muito simples e muito coloridas. Alias, foram as cores da Thaylândia que me tocaram profundamente e eu denominei como País das Mil Cores, num artigo para jornal, publicado logo após essa visita.

Encantada com esse País, predominantemente budista, quis voltar um dia, não consegui. Mas a Thaylândia veio até mim, no ano que finda, através de um vídeo, recente:

Uma festa de Natal. Fantasiaram os elefantes como Papai Noel e fizeram distribuição de presentes para as crianças. O elefante noel pega o presente com sua longa tromba e o leva até uma criança. As crianças exultam. Alegres, risonhas, e o elefante, pacientemente, vai fazendo as entregas… Um elefante noel, num país predominantemente budista! Os elefantes lá são sagrados…

O velhinho de vermelho cumpre seu papel também na terra das mil cores.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Marilu R F Queiroz

 

Um lindo presente

 

O Natal aproxima as pessoas e nos traz de volta algumas, que não vemos há muito tempo ou nem sequer chegamos a conhecer. Quando criança, lá pelos meus cinco anos só ouvira falar do meu avô materno por meio de conversas. Meus avós eram separados desde antes de eu nascer. Nesse Natal especificamente meu avó sentiu a necessidade de conhecer os netos e nos fez uma visita de surpresa. Foi muito bom conhecê-lo e fizemos amizade logo de cara. Foi ele quem me deu um dos presentes mais singelos que já ganhei em toda a minha vida: uma maçã grande e vermelha, brilhante como as bolas da árvore de Natal que enfeitava a minha casa todos os anos. Perfumada como poucas e deliciosa!!! Hummm… que delícia!!! Quando me lembro dela tenho a impressão de sentir-lhe o gosto e o perfume. Depois desse Natal nunca mais vi o meu avô.

 

 

Silvana Gomes Brugni

 

Uma história de Natal, uma história de Fé.

 

Ela sempre se sentia um tanto melancólica no período

natalino. Até que, às vésperas do Natal do ano de 2013 surgiu-lhe do nada um grande edema que tomou conta da região do seu pescoço e face, deformando-os. Fora internada às pressas, pois o diagnóstico médico foi preciso em dizer-lhe: – Você está prestes a ter um edema de glote. Se não for internada neste momento com urgência, terão que lhe entubar além de ficar na UTI. Esse médico e sua equipe, foram anjos que vieram em seu auxílio no momento providencial – e por todo tempo da internação.

A mensagem foi clara e o atendimento providenciado rapidamente, apenas medicações venosas. Antes de ir para o hospital, lembrou-se de um terço simples – trazido de presente por um de seus filhos que andou pelas “terras sagradas”. Foi o que levou com ela ao hospital. Internada ficou… durante o Natal, durante o Réveillon de 2013 e em quase todo o mês de janeiro de 2014.

Além das fortes medicações, foi submetida aos exames de duas ressonâncias, duas tomografias, e mais uma ressonância ao final – específica na região da cabeça por (“suspeita de trombose”). Não podia receber muitas visitas por conta do risco de infecção hospitalar. Deitada na cama, com aquele terço sempre agarrado em suas mãos, ela via no olhar de seus familiares o medo! – tudo apontava para um possível câncer! – No entanto, ela retribuía os olhares com um sorriso e dizia: Estou sob controle, vai dar tudo certo… tudo vai acabar bem!

Ela, dentro da sua Fé e de suas orações em que pedia ao

Pai: “não me deixe ir agora, se isso for do meu merecimento”, teve a sua crença de que não seria nada daquilo que pensavam, e que sairia dali viva.

Visualizou sua família – apesar de tristes pelo seu estado,

comemorando o Natal, passando juntos o Réveillon, e o novo ano que chegava.

Quase um mês depois de internada, recebeu alta! Enfim… pensaram que era “tudo”; Mas no final, “não era nada”… ao menos e apesar da gravidade, nada d’aquilo que eles consideravam que poderia ser: Câncer.

E o ano passou rápido – embora não tenha sido um ano bom para sua saúde que ficou fragilizada, e rápido chegou o novo período natalino. Desta vez ela não sentiu melancolia. Ao contrário… ela sabia que daquele momento em diante ela comemoraria duas vezes: O nascimento de Cristo… e o seu renascimento, fruto de sua Fé!

 

 

 

 

 

 

Neyde Bohon

 

 

Feliz Natal!!

 

 

 

 

 

 

 

 

POEMAS

 

 

Sandra Nascimento

 

Natal

Tempo de luz

Vamos fazer a festa

Mas não esqueçamos

Jesus

Natal

Via da generosidade

Paz e amor no mundo

Aos homens

De boa Vontade

 

 

Cida Gaiofatto

 

Acolhendo e doando O NOVO Belém, no abraço da Paz…

 

E o Natal vai sendo… desafios.

Nem sempre aquilo que se quer

Na construção das horas, dias

Irmanados nas possíveis alegrias,

Letargias?

Transcendendo aquela ideia

De um Belém Menino

Que nasce e celebra

No coração do HOMEM

Amorosa poesia…

Na troca do afeto, olhar que toca,

A palavra impecável que de amar se veste.

Superação!

Desafio e decisão se irmanam para além

De tudo o que brilha só fora

Encobrindo o que sofre, dentro.

De novo, construir! Ressurgir!

Possamos na crença do solidário,

No abraço solitário

O simples rever, saudade da ausência

Presente no dom que se doa

Em momentos de melhor viver, evoluir,

Num sagrado con-viver.

 

FELIZ NATAL! FELIZ 2015!

 

 

 

Neyde Bohon

 

Noite de Gloria

 

Já é noite,

Logo mais, no céu resplandecera.

A luz maior,

Então;

‘E Natal!

Cânticos entre os Anjos no céu

Em louvor,

Todos dirão

Amém!

Ao menino Jesus!

Paz, Amor, em todos os tempos.

Gloria ao Senhor!

FELIZ NATAL!

 

Maria Nilza Campos Lepre

 

Natal

O mundo se veste de gala.

Nas casas e nas ruas

Luzes de mil cores

Piscam alegremente

A todos lembrando

Que o Natal esta chegando.

Toda tristeza se cala.

O brilho intenso da lua

Favorece os amores.

Há troca de presentes.

Muitas vozes cantando.

É Jesus que esta nascendo.

FELIZ

NATAL A TODOS

Que o menino Jesus ilumine

a todos com sua luz divina.

 

 

 

Paulo Pazz

 

É NATAL

Papai Noel!
Queria ter a fé
De uma criança,
A ingenuidade
De uma criança,
A credulidade
De uma criança,
Para me sentar
No seu colo afável
E desfiar, esperançoso,
Meu singelo pedido.

Papai Noel!
Se eu pudesse,
Falaria baixinho
Em seu ouvido
Para que só o senhor
Ouvisse de minha boca
O que enverdece
A minha esperança.

Sabe, Papai Noel,
O que eu quero não é
Muito difícil para o senhor.
O que quero é tão somente
Que os homens se abracem
Uns aos outros,
Sem olhar cor ou credo,
Idade ou status,
Acertos ou indiferenças.
Que desse abraço
Se faça um ninho
Onde a Paz se achegue
E se aconchegue
E se brinque e se ame.

No entanto,
Papai Noel,
Sei que não fará isso,
Porque, se o fizer hoje,
No ano que vem
O senhor não terá
Motivos para continuar
A existir entre nós…
Somos movidos
Por sonhos e suposições,
Assim como o senhor
Se alimenta e vive
Pela esperança
Do homem bom.

… e homens bons
Desenham Natais
pela dor que lhes sangra.
 

 

 

 

Isabel Vargas

 

MEU PRESENTE DE NATAL

 

Meu desejo maior é fazer um Natal sem presentes materiais.

Eu sei, entretanto, que as crianças adoram presentes.

Um a exceção, então são elas.

Pois eu estava a pensar no que comprar para presentear meus

netos.

Recordo que adorava presentear meus filhos nesta data.

Eu não esperava ganhar um presente tão valioso antes do

Natal.

Sem ter definido nada, sobre os presentes, agora tenho mais

um a presentear.

Em dezesseis de Dezembro, terça-feira nasceu AMANDA minha

netinha.

Netos agora são cinco. Marina a mais velha, uma linda

adolescente.

Tem o Otávio, o primeiro menino, agora irmão da Amanda. Um

lindo casal.

Em seguida dele nasceram os gêmeos: Francisco em homenagem

ao avô.

Dois minutinhos depois, nasceu o Augusto, Em homenagem ao

Pai.

Eles, os meninos estão com dois aninhos para nossa alegria.

Neste Natal não esperávamos que fosse chegar a princesinha,

só no ano novo.

Assim Deus nos presenteou da forma mais linda e preciosa.

Todos nós agradecemos pela vida que nos ofertou com amor,

Assim só temos a louvar a esperança, o amor, a renovação da

vida.

Leia, então, a participação de nascimento que faço neste

acróstico.

 

ORGANIZAÇÃO: ISABEL VARGAS

 

ANO NOVO

 

 

Flavia Assaife

 

Que 2015 chegue cheio de luz e boas energias para me auxiliar em ser melhor a cada dia/ Que traga na bagagem amor e felicidade me guiando nas escolhas do dia a dia/

Chegue com disposição, pois há muito a se fazer, muito a refletir, muito a construir/

Venha carregado de esperança de dias melhores, de paz e bonança…

 

 

Sonia Palma

 

Que em 2015 possamos sonhar muito, mas que também possamos entender que, se sonhar é bom, é relaxante, o que faz de nossas vidas mais intensas e prazerosas é a realização de nossos sonhos. Feliz 2015 a todas e todos!

 

 

Norália Castro

 

FELIZ ANO NOVO! FELIZ 2015! QUE SEJA UM ANO CHEIO DE REALIZAÇÕES PARA TODOS. FELICIDADES MIL! “FELIZ ANO NOVO”

 

 

Jacqueline Bulos Aisenman

Que em 2015 sejamos cada vez mais nós mesmos, que saibamos agradecer muito mais do que pedir; que nosso coração esteja aberto para o mundo e que o mundo encha nosso coração de paz e amor!

Carlos Anselmo Parada

 

Tenho para 2015 um sonho sim: continuar sendo eu mesmo, doa a quem doer; fazer com que muitas palavras saiam de meus dedos viciados em teclado para que elas possam propiciar ânimos e mostrar o mundo à minha volta como ele se apresenta e, que as pessoas que trabalham com as palavras impressas em livros antológicos, se lembrem que o que fica é a mensagem de cada colaborador (colaborador que paga rsss…), pois o dinheiro investido nestas edições deveria ter um único significado. O significado de propagar literatura e “nunca” o de auferir lucros (acima do normal, bem entendido) a pessoas… já não basta o comércio em torno do Natal? Façamos com verdadeiro amor à Literatura, que estas pessoas sejam menos comerciantes. Para 2015, também desejo conhecer mais pessoas ligadas ao “vício do escrever” e, a elas, sucesso! Jacqueline Bulos Aisenman estou em falta com o nosso Grupo Varal do Brasil, prometo enviar mais colaborações além destas “rápidas pelo face”. Carlo Montanari /Carlos Anselmo

Parada

 

Marilu R F Queiroz

A todos nós que 2015 nos traga PAZ, SAÚDE, ALEGRIAS, AMOR e SUCESSO. Que tenhamos em nossos corações muito amor, amizade, respeito e compreensão. Que sejamos mais solidários e menos individualistas. A todos um ano maravilhoso!

 

Vera De Barcellos

 

 

 

 

 

Inês Carmelita Lohn

 

Feliz 2015 para todos do Varal da Brasil!

 

 

 

 

 

Maria Nilza Campos Lepre

 

FELIZ 2015 Estou encerrando mais uma página do livro de minha vida.
Esta foi de grandes mudanças, muita apreensão, mas também de várias realizações.
Ao fazer o balanço vejo que tive muito mais alegrias que tristezas.
O que me magoou já ficou para traz, o que me amedrontou, já deletei de meu arquivo.
Deus me deu a capacidade de colocar bem longe de meu cotidiano tudo que me magoa durante a vida. Só trago comigo o que me faz feliz e me ajuda a crescer durante essa minha caminhada.
Que este ano seja abençoado e traga felicidades a todos.

 

 

 

Isabel Vargas

Cortando todo meu texto, sintetizo dizendo que devemos começar o ano com otimismo, seguir acreditando na vida. Ter um olhar atento às menores coisas, investir na saúde e na família, e seguir em frente com fé.

Conto com minha força interior, com a minha família, e meus amigos e as energias benéficas do universo transmitidas nos sonhos alimentados.

Que continuemos trabalhando formando uma unidade coesa e cheia de boas idéias.

Saúde, felicidade, sucesso a todos do VARAL.

 

Organização: Isabel Vargas

 

Leave a Reply